Jetibá Online
Rádio Jetibá Online

17 de Novembro de 2018 | Santa Maria de Jetibá, ES

Busque no Jetibá Online:



Notícias

INMA/Museu recebeu uma das maiores referências em climatologia do mundo
Publicado 16 de agosto de 2018

Reunião Fapes INMA e Carlos Nobre

 

 

“Estado pode se tornar um semiárido nordestino a partir de 2050”, alerta Carlos Nobre, que em 2007, junto à sua equipe, ganhou o Prêmio Nobel da Paz. Ele foi um dos autores principais do Quarto Relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas.

 

 

Nos últimos anos o Espírito Santo enfrentou uma das maiores crises hídricas de sua história e o cientista Carlos Afonso Nobre, referência internacional em climatologia, alerta que metade do Estado (regiões Norte e Noroeste) pode ganhar características do semiárido nordestino até a segunda metade do século XXI, com pouco volume de chuvas e baixa umidade do ar.

 

 

“Nos cenários mais drásticos da emissão dos gases, que é o que não desejamos, metade do ES vira semiárido”, disse o pesquisador da Ufes.

 

 

Por isso, uma parceria entre a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), a Vale e a Ufes, está implantando um Centro de Estudos Climáticos Avançados que vai investigar as causas das mudanças climáticas no Estado, como tempestades, excesso de calor e secas.

 

 

O pesquisador, que é PhD em meteorologia pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), vai coordenar o Centro, que tem previsão de iniciar as atividades ainda este ano. O espaço vai realizar pesquisas que unem o clima às diversas áreas de estudos como agricultura, logística e saúde.

 

 

Parceria com o INMA

 

 

Na última terça-feira (14), Carlos Nobre esteve em reunião no Instituto Nacional da Mata Atlântica, em Santa Teresa, para tratar de assuntos relacionados ao Centro Climático.

 

 

No evento estiveram presentes o presidente da Fapes, José Antônio Bof Buffon, e o diretor do INMA, Sérgio Lucena, que se propôs a colaborar com pesquisas sobre clima na mata atlântica.

 

 

“O Centro ainda está em formatação mas desde já nos propusemos a colaborar na área de estudo dos impactos climáticos na mata atlântica”, disse o diretor.

 

 

Comentários